Propaganda Topo

Peculiaridades

Belo Jardim é a cidade de maior representatividade musical no Estado. Ali a música é uma herança que passa de pai para filho e não é raro encontrar famílias inteiras dedicadas à arte de tocar um instrumento. Essa tradição vem desde o início do século XIX, quando se formaram as primeiras bandas da então Vila de Nossa Senhora da Conceição de Belo Jardim.


O número de músicos nascidos em Belo Jardim é tão significativo que em praticamente todas as bandas ou orquestras pernambucanas (além de várias orquestras nacionais) existe ou já existiu um representante da cidade. Alguns exemplos: a banda do IV Exército tem quatro músicos belojardinenses.

Músicos da cidade também atuam na Super Oara e na Orquestra Pinga Fogo. O primeiro arranjador de Roberto Carlos era belojardinense, assim como o maestro Mozart Siqueira, criador da Orquestra Meninos de São Caetano. Assim também como Mirael (Dobinha ) que vem se destacando como violonista. E pela Orquestra Sinfônica do Rio de Janeiro passaram vários músicos de Belo Jardim.

Terra do cantor Otto, Belo Jardim guarda histórias fantásticas relacionadas à música. Um desses episódios ocorreu em 1953, quando as bandas rivais Filarmônica e Cultura (Prof. Ulisses Lima) disputavam para encerrar uma festa de rua e, como nenhuma abria mão de ser a última a se exibir, as duas permaneceram tocando 15 horas seguidas.

O impasse só foi resolvido com a intervenção do Juiz de Direito, do promotor, do prefeito e do delegado da cidade que promoveram o seguinte acordo: os músicos iam sendo retirados paulatinamente, um de cada lado, até que a música silenciasse.

Não serão tolerados comentários desrespeitosos, ofensivos e que incitem o ódio. Caso ocorrar, será aplicado uma orientação aos violadores e se necessário, bloqueio do endereço IP.

Tecnologia do Blogger.